A facilidade e a comodidade de abrir uma conta corrente pelo celular, sem a necessidade de ir presencialmente a uma agência tradicional, fez com que a abertura de contas digitais quase triplicasse em 2017, totalizando 1,6 milhão no ano passado - uma média de quase 4.400 abertas por dia. O número representa um salto de 171% em relação ao ano anterior, quando 591 mil contas foram criadas somente através de smartphones.

A informação consta na mais recente pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária e se refere às contas correntes 100% digitais de oito instituições financeiras, entre elas quatro dos maiores bancos do país. Se considerado o período acumulado de abril de 2016 até março deste ano, porém, esse número é bem maior: são 2,88 milhões de contas digitais em cinco instituições financeiras. Foi a partir da resolução 4.480, de 25 de abril de 2016, que o Banco Central permitiu a abertura e o encerramento de contas bancárias por meio eletrônico, sem a necessidade de ir a uma agência física.

Divulgação

Banco do Brasil, Bradesco, Original e Banco Inter pretendem chegar até dezembro com 4,72 milhões de contas digitais, incremento de 70% sobre as 2,78 milhões de contas que essas quatro instituições, somadas, têm hoje. O assunto é tão estratégico que uma parte das instituições financeiras não divulga dados atualizados das contas digitais nem metas de abertura de contas pelo mobile banking para este ano - caso do Santander e do Itaú Unibanco, que mantêm sob sigilo os números de sua transformação digital.

Enquanto alguns bancos tratam o tema com sigilo, outros mostram planos ambiciosos para ampliar a base de clientes digitais. O Banco do Brasil tem 1,7 milhão de contas online abertas desde novembro de 2016 e espera chegar a 3 milhões até dezembro.

Oito em cada dez clientes que abrem contas pelo aplicativo do BB têm entre 18 e 40 anos. São Paulo é o Estado que lidera a abertura, com 300 mil contas digitais. Em seguida estão Rio de Janeiro, Minas Gerais, Distrito Federal, Bahia e Maranhão.

A Conta Fácil digital BB, em versão gratuita ou pacote de R$ 9,90 mensais, representa 40% do total de contas criadas na instituição, na média. Mas o índice chega a 56% em algumas localidades, como no Maranhão. O app do Banco do Brasil permite fazer, desde maio de 2017, o upgrade da conta simplificada (com movimentação de até R$ 5 mil mensais) para uma mais completa – para isso, o correntista deve fornecer informações de renda e comprovar residência.

A documentação é analisada em até três dias úteis e, se aceita, ele pode obter crédito, investir, e administrar a conta sem restrição de limite de movimentação mensal. Até agora, 150 mil contas já foram convertidas por esse canal; 14% dos que fizeram o upgrade pelo app são universitários.

“O resultado de abertura de contas digitais em 2017 chegou perto da nossa estimativa [em março do ano passado era de 1,8 milhão], com aproximadamente 1,5 milhão de contas abertas via app, demonstrando o alto grau de aceitação ao serviço”, afirma Flávio Morais, gerente-executivo na Diretoria de Clientes Pessoas Físicas do BB para a revista CIAB FEBRABAN. “Para 2018, a expectativa é ultrapassar a marca de 3 milhões de contas inteiramente digitais.”

A expansão das contas digitais também se explica pelo maior número de usuários dos aplicativos bancários. Em fevereiro deste ano, o app do Banco do Brasil tinha 15,6 milhões de usuários, crescimento de 156% sobre os 6,9 milhões de 2015. Acessado por mais de quatro milhões de pessoas todos os dias, o app é responsável por 51% das transações feitas na instituição.

Os avanços digitais acontecem não só nas contas correntes, mas na forma como as instituições se relacionam com quem usa os seus serviços. Há dois meses, o Banco do Brasil, por exemplo, anunciou que testa, com mil clientes, consultas de transações bancárias diretamente pelo Messenger, do Facebook, sem que eles precisem acessar o app ou entrar no internet banking.

A solução combina as funcionalidades do Messenger com a plataforma de inteligência artificial do sistema Watson, da IBM, ao atender os clientes. Eles fazem as transações por meio de robôs chamados chatbots – programas de inteligência artificial que funcionam em aplicativos de bate-papo (chat) para receber pedidos em forma de mensagens.

Na primeira fase, é possível consultar extratos da conta corrente e informações sobre cartão de crédito (fatura, pedir segunda via e liberar o uso). “A novidade é oferecer os nossos serviços ao cliente na interface de preferência dele, sem necessidade de ir até um ambiente do banco”, afirmou Gustavo Fosse, diretor de Tecnologia do BB, durante o anúncio da solução. “O objetivo é levar ainda mais facilidade, com relacionamento baseado na inovação, na confiança e promover a facilidade de acesso.”

Com foco nos millennials (jovens entre 18 e 35 anos e que representam 30% da população), o Bradesco lançou suas contas digitais por meio da plataforma digital Next. “Essa geração quer que os serviços financeiros se adaptem à sua realidade, oferecendo fluidez, autonomia e tecnologia”, diz Jeferson Ricardo Garcia Honorato, superintendente-executivo do Next. “Querem ter nas plataformas financeiras o mesmo tipo de experiência que possuem em outras plataformas digitais, como Facebook, WhatsApp, Spotify”, acrescenta.

Divulgação

Jeferson Honorato, superintendente-executivo do Next, diz que os jovens querem ter nas plataformas financeiras o mesmo tipo de experiência que encontram no Facebook, no WhatsApp ou no Spotify

São 100 mil contas digitais abertas e ativas desde junho passado e 420 mil em processo de adesão. A meta do banco é encerrar este ano com meio milhão de contas ativas digitais. Com opção de pacote “Na Faixa”, como o próprio nome diz, o cliente recebe cartão de crédito internacional grátis, além de uma série de benefícios. Universitários têm linha de crédito disponível e descontos em cursos e em app de transporte. Há outros planos que variam de acordo com os serviços.

Para atrair os jovens, o app do Next apostou em funcionalidades como planejamento orçamentário, organização de viagens e até promoção de vaquinhas virtuais (para eventos como churrasco, festa e compra de presentes), além de descontos em cinemas e parcerias com 40 empresas. “O Next possui uma sofisticada plataforma de analytics, com algoritmos preditivos”, afirma Honorato. “Ela é capaz de mapear todo o comportamento do cliente, antecipar ações e sugerir as melhores soluções para a gestão do dinheiro.”

Além de permitir que os clientes acessem o app sem gastar o pacote de dados de seus celulares, o Bradesco investe na ampliação do que chama de “mimos” (descontos e vantagens na utilização de serviços) aos correntistas. O aumento no volume de transações do app Next chama a atenção, segundo o banco. Em dezembro passado, foram 320 mil transações registradas. Em janeiro; 1,2 milhão e a previsão para março era chegar a 1,6 milhão.

“Mais de 70% das pessoas que estão iniciando a relação com o Next não eram correntistas da organização Bradesco; ou seja, estamos endereçando esse novo mercado altamente fluído e conectado”, diz o superintendente-executivo do Next.

Três em cada dez contas do Santander já são digitais. Mas os números absolutos são confidenciais. A instituição revela ainda que 38% de seus clientes são adeptos de transações por mobile e internet banking. “Temos incrementado exponencialmente a quantidade de contas abertas pelo celular, desde o seu lançamento em abril de 2017”, diz Alexandre Zancani, diretor da Plataforma Multicanal do Santander. “A quantidade de contas abertas ( neste ano) já representa 30% do total de 2017.”

Divulgação

A quantidade de contas abertas pelo celular tem aumentado exponencialmente e já representam 30% do total de 2017, diz Alexandre Zancani, diretor da Plataforma Multicanal do Santander

O executivo também destaca a facilidade e a comodidade da conta digital para atrair novos clientes. “A abertura de conta corrente de forma digital foi desenvolvida para que potenciais clientes consigam iniciar um relacionamento com o Santander de forma mais prática e ágil, pois é possível abrir uma conta em qualquer lugar usando apenas o tablet, celular ou desktop.”

São 8,6 milhões de clientes digitais, de acordo com o balanço mais recente do banco, do 4º trimestre de 2017 – expansão de 35% em relação ao mesmo período de 2016. Para chegar a esse resultado, uma das práticas é o reforço da segurança nos canais digitais, com ações que vão desde a comunicação imediata com o cliente (se qualquer anormalidade é percebida) até a adoção de novas tecnologias – principalmente para o mobile, considerando que o volume de transações cresceu duas vezes mais no período de dezembro de 2016 sobre igual mês de 2017.

Os smartphones, por exemplo, têm uma identificação única por device (dispositivo que informa a localização do celular em caso de perda ou roubo); o Touch ID é usado para acessar o app do banco, além de outras soluções como outras aplicações de biometria e o uso de SMS (para informar movimentações da conta e do cartão). “A tendência é que o banco cada vez mais invista nos canais digitais; e, nesse cenário, o mobile é peça fundamental da evolução no atendimento ao cliente, porque ele está com o celular na mão o tempo todo”, diz o executivo do Santander. “Levar o banco para o seu celular é permitir que o cliente escolha o canal com o qual quer se relacionar com o banco.”

O Santander também investe em wearables (“vestíveis”), com o Santander Pass, que permite ao cliente fazer pagamentos por meio de pulseiras e chips na roupa, sem a necessidade de utilizar cartões.

O Itaú Unibanco também mudou de estratégia e não revela mais números de contas nem de clientes digitais. Em março do ano passado, 100 mil contas foram criadas por meio do app abreconta, e a previsão para 2017 era de um milhão de contas abertas de forma digital.

O banco computava até o segundo trimestre do ano passado 13,6 milhões de clientes digitais, incremento de 11% sobre o mesmo período de 2016, de acordo com o Radar Itaú de Tecnologia, estudo elaborado pelo próprio banco.

Os números certamente devem ter se expandido de forma expressiva, e os dados do balanço do 4º trimestre do Itaú Unibanco dão pistas disso. O número de agências digitais passou de 94, no final de 2015, para 160 em dezembro de 2017. Em contrapartida, o de agências físicas recuou de 3.821 para 3.520 no período. “No Brasil, a redução anual no número de agências físicas e o aumento da quantidade de agências digitais está em linha com o perfil dos nossos clientes, que vêm demandando cada vez mais atendimento por meio de canais digitais”, informa o banco no demonstrativo financeiro.

Na Caixa, o projeto de abertura de contas 100% digitais está em fase de teste. Além da conta para pessoas físicas, o banco quer oferecer essa modalidade para micro e pequenos empreendedores. “Os usuários de smartphone com sistema operacional Android já conseguem enviar a proposta de abertura de conta corrente (pessoa física) por meio do app Abertura de Conta. Mas ainda não há previsão do mesmo serviço para a modalidade iOS”, informa Adriano Assis Matias, diretor de Transformação Digital da Caixa.

Divulgação

Adriano Assis Matias, diretor de Transformação Digital da Caixa, diz que o banco espera uma migração gradual para o canal digital, sobretudo no segmento jovem

A possibilidade de fazer transações financeiras em redes sociais também está nos planos da instituição e algumas delas estão previstas para 2018. Hoje, 13 milhões de clientes utilizam os canais digitais da Caixa, sendo 80% usuários do mobile. O número de usuários do celular cresceu 180% entre 2016 e 2017, enquanto o volume de transações subiu 95% no período. “Estimamos uma migração paulatina para o canal digital, sobretudo no segmento jovem mais adepto a soluções de atendimento remotas”, diz Matias.

Com o avanço de usuários nesses canais, a instituição investe cada vez mais em segurança dos meios digitais e prevenção de fraudes e lavagem de dinheiro. “Grande parte dos investimentos em tecnologia da Caixa são direcionados à implementação de inovações em canais digitais, inclusive com a criação, em 2017, da Diretoria de Transformação Digital.”

Entre os bancos digitais, o Original e o Inter também se destacam, com metas arrojadas para abertura de contas online. Com 600 mil contas correntes digitais abertas desde 2016, o Original quer chegar a dezembro com mais 216,8 mil – cerca de 40% a mais sobre as criadas em 2017 - e também oferecer essa modalidade de conta para pequenos empreendedores.

Hoje, o cliente paga R$ 9,90 mensais e tem direito a serviços ilimitados por um ano, como transferências, extratos e saques. Após esse período, é possível optar por pacotes ou tarifas avulsas.

No Banco Inter (antigo Intermedium) são 379,2 mil contas digitais e a meta anterior divulgada pelo banco era chegar ao final deste ano com um milhão. Como o banco prepara sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), não comenta números.

Em seu site, a instituição informa que a Conta Digital PRO, para empresas, é 100% digital e gratuita, para movimentações bancárias via internet banking, com isenção total de tarifas. Microempreendedores também têm acesso ao serviço, com a conta corrente digital e gratuita.

A abertura de contas online para os pequenos empreendedores, como os MEIs, foi aprovada na resolução 4.630 do Conselho Monetário Nacional (CMN) de janeiro de 2018 e permite conta PJ digital para facilitar as atividades dos micro e pequenos negócios.

Segundo o Banco Central, a medida faz parte dos esforços de diversos órgãos federais para criar condições mais propícias ao desenvolvimento das atividades dos MEIs e de inclusão bancária. Não é à toa que a modalidade chama a atenção das instituições, como BB, Caixa e outras que já estudam oferecer a conta digital para esse segmento.

Pesquisa realizada pelo BC no ano passado mostrou que, dos 8,7 milhões de MEIs do país, somente 19% tinham conta bancária como pessoa jurídica e só 8% haviam contratado operações de crédito como PJ. O saldo da carteira de crédito do MEI pessoa jurídica foi de R$ 4,2 bilhões em 2016. Já a carteira de crédito da pessoa física registrada como MEI foi 15 vezes maior e chegou a R$ 64,6 bilhões.

Bradesco Next

100 mil contas digitais*
Meta: 500 mil até dezembro de 2018

  • opções de pacotes: plano Na Faixa, com conta corrente e cartão de crédito Visa Internacional grátis; os universitários, além do plano, têm linha de crédito disponível para utilizar quando precisarem e descontos em cursos de idioma e app de transporte, entre outros; há ainda outro plano no qual o cliente tem opção de cartão Gold e/ou Platinum, com programa de fidelidade
  • o que oferece: funcionalidades para ajudar a planejar orçamento do cliente (separa gastos por categoria), organizar viagens, fazer vaquinhas (para preparar eventos como churrasco, festa, comprar presentes), além de descontos em serviços como Cinemark, Uber e 40 empresas parceiras
  • o que permite: clientes Next acessam o app sem usar a franquia do pacote de dados móveis do seu celular (3G grátis) e gerentes consultores estão disponíveis 24 horas todos os dias por meio do chat e redes sociais para auxiliar o cliente

*abertas desde junho de 2017

O quem vem por aí
  • ampliação dos chamados “mimos”, que são benefícios, como descontos e vantagens na utilização de serviços de empresas parceiras, como Uber, Cuponeria, Natura, iPlace, Cinemark, Hoteis.com, Parafuzo, Ingresso Rápido e Livraria Cultura, entre outros; hoje são 60 ofertas com 40 empresas parceiras

Banco do Brasil - Conta Fácil BB

1,7 milhão de contas digitais*
Meta: 3 milhões até dezembro de 2018

  • opções de pacote: Conta Fácil Gratuita (sem tarifas e com serviços limitados por mês) e Conta Fácil Bônus, com tarifa de R$ 9,90 mensais, que podem ser convertidos em R$ 10 em bônus para celulares pré-pagos, e cesta maior de serviços; as contas têm limite de R$ 5 mil de movimentação mensal
  • upgrade da conta: é permitido desde maio de 2017, com a conversão da Conta Fácil em uma conta corrente completa; 150 mil contas já foram convertidas por esse canal
  • o que é preciso: enviar comprovantes de renda e residência digitalizados pelo app; a documentação é analisada em até três dias úteis e permite acesso a produtos de crédito e investimento, sem restrição de limite de movimentação mensal
  • microempreendedores: abertura de Conta Fácil para MEI é feita pelo app, com uso imediato; os demais clientes PJ podem iniciar o processo de abertura de conta corrente pelo portal do BB e finalizar na agência

*abertas desde novembro de 2016; somente em 2017 foram 1,5 milhão

O quem vem por aí
  • clientes poderão realizar consultas bancárias (extratos de conta e informações de cartões de crédito) e diretamente pelo Messenger do Facebook, sem recorrer ao app ou internet banking

Santander

30% das contas do banco são digitais*

  • opções de pacotes: o cliente escolhe a conta entre os pacotes oferecidos pelo banco; que abre conta na agência ou de forma digital possui os mesmos benefícios, sem diferença nos planos e tarifas
  • o que permite: rede digital com gerentes de relacionamento trabalhando em horário estendido, das 8h até as 20h, de segunda a sexta-feira, com atendimento por telefone, e-mail e chat para garantir flexibilidade e autonomia ao cliente
O quem vem por aí
  • novos produtos e serviços para os clientes, inclusive digitais, com diferentes formas de atendimento
  • o banco trabalha com wearables com o Santander Pass, que permite que o cliente use os serviços por meio de pulseiras e chips no vestuário e faça pagamentos sem o uso de cartões
  • ampliação do número de clientes que usam mobile e internet banking; hoje são 38%

*O banco não revela números de contas abertas pelo celular desde o lançamento em abril de 2017 nem a meta para 2018

CAIXA

O projeto de abertura de contas digitais está em fase de teste
Meta: 10% das contas abertas em média por mês devem ser nessa modalidade

  • como abrir a conta: clientes usuários de smartphone Android podem enviar proposta de abertura de conta corrente pessoa física por meio do aplicativo de “Abertura de Conta”
  • o que fazer: o aplicativo está em fase piloto para abrir conta de forma 100% digital, sem que o cliente vá a uma agência física; basta preencher um formulário e cadastrar senha da conta; é preciso comprovar renda
  • opções de pacotes: o cliente escolhe se quer contratar uma cesta de serviços ou não e também customiza sua proposta de abertura de conta, enviada pelo app
O quem vem por aí
  • criação de conta digital para micro e pequenos empreendedores em fase de prospecção
  • possibilidade de o cliente poder fazer transações financeiras em redes sociais está em teste; algumas delas estão previstas para 2018
  • ampliação do número de clientes que usam meios digitais; hoje são 13 milhões, sendo 80% deles usuários do mobile

Itaú Unibanco

100 mil contas digitais até fevereiro de 2017*

  • como abrir a conta: a abertura da conta de forma 100% digital é feita por meio do app abrecontas e não é necessário ir até uma agência
  • o que fazer: é preciso criar perfil no app, enviar fotos de documentos de identificação, comprovante de endereço, assinatura e tirar selfie; o cliente escolhe a agência de relacionamento e cria uma senha para uso do cartão após a aprovação da conta; a abertura será confirmada por SMS e e-mail em até três dias úteis
  • opções de pacotes: o cliente escolhe produtos e serviços; há pacotes com mensalidade gratuita (essencial) até o Uniclass (valor varia com opções escolhidas)

*O banco não revela números por questões estratégicas. Informações fornecidas até março de 2017

Original

600 mil contas digitaisdesde 2016
Meta: 216,8 mil até dezembro de 2018 opções de pacotes: o cliente paga R$ 9,90 mensais e tem direito a serviços ilimitados por um ano, como transferências, extratos, saques; após esse período, é possível optar por pacotes ou tarifas avulsas

O quem vem por aí
  • o banco tem planos para oferecer conta digital para pequenos empreendedores e MEIs, e a entrega está prevista para este ano
Inter

379,2 mil contas digitais até dezembro de 2017
Meta: 1 milhão de contas até final de 2018*

  • opções de pacotes: a conta para pessoas físicas é totalmente gratuita sem tarifas de manutenção nem para transações bancárias
  • o que oferece: para PJs, existe a Conta Digital PRO, conta corrente empresarial 100% digital e gratuita, para movimentações bancárias via Internet Banking, com isenção total de tarifas
  • microempreendedores: podem ter a conta corrente 100% digital e gratuita, com serviços bancários que incluem até depósitos de cheque por imagem epodem ser feitos por meio do app ou internet banking

*Informação publicada em maio de 2017. O Banco Inter lançou a conta digital em 2014 e não comenta números porque se prepara para seu IPO